Como gerimos o medo, a perda inesperada, o sobressalto?

Nos últimos dias, a minha filha maior viu-se subitamente em choque por saber da morte de um amigo pelas notícias da televisão ... e eu viajei no tempo, para quando tinha apenas mais um ano do que ela e tive de lidar com a morte súbita de um grande amigo. Eu pude-me despedir. Ela não. É sempre cruel ver uma promessa de vida ceifada antes de se cumprir o prometido. Neste caso foi muito duro: uma família inteira jazeu nas estradas espanholas de forma inesperada. Fiquei na dúvida como gerir a sua dor: dar-lhe espaço? não lhe dar tempos mortos? Falar? Não falar? ...

muitas dúvidas me assolam a cada novo desafio neste caminho da maternidade ...

Ontem novo sobressalto: um mega-acidente na A25, caminho de tantos passeios de fim de semana, caminho que nos conduziu a uns dias de refúgio na Serra do Caramulo, caminho para uma casa-refúgio de uns grandes amigos, que sabíamos estar, eles e a família entre este ninho e Aveiro ... assim que ouvi nas notícias, fiquei sobressaltada ... depois de ver as primeiras imagens, tive de ligar e saber como estavam ... mais um susto! Tinham passado 15minutos antes nesse ponto numa viagem em que vinham acompanhados da neta que tem a mesma idade da Mafalda!

Estamos sempre a ser postos à prova, a cada curva, ...
Andamos constantemente na estrada: só um, os dois, os cinco; tantas vezes os cinco ... face ao acidente de ontem é impossível não pensar: e se ... um dia ...
É tentar não pensar nos ses, mas, às vezes, é muito difícil. muito mesmo.

Comentários

  1. Tens toda a razão...
    What if...
    Bj grande para ti e para tua filhota

    ResponderEliminar
  2. Eu tinha passado lá no domingo.Arrepio-me só de pensar...

    Um dia destes tive um sonho, que tinha um grande acidente de viação. Cada vez que me lembro, tiro logo o pé do aceleradoR.

    Faço pelo menos 200km por dia. Agora mais que nunca penso que me pode acontecer a mim.

    Cautela e caldos de galinha nunca fizeram mal ninguém.

    Beijoca

    ResponderEliminar
  3. Estes acidentes acontecem e, apesar de doloroso, é preciso pensar que não é só aos outros que as tragédias acontecem.

    *

    ResponderEliminar
  4. Esse também é um caminho nosso, principalmente agora com o peso da "barriga". É sempre difícil não pensar...

    Quanto à Tati... Não sei o que te dizer, não é fácil, não há instruções. Como sabes, infelizmente o ano passado a Mariana passou por algo semelhante, a minha opção foi dar-lhe espaço, deixa-la falar quando necessitou, e ainda vai necessitando, estar lá para a ouvir e apoiar. Nestas alturas acho que o melhor é seguir o que nos diz o coração!

    bjs grandes a todos, especialmente para ti e para a Tati

    ResponderEliminar
  5. Sim... de vez em quando levamos cada "estalo" da vida! Força!

    Beijocas

    ResponderEliminar
  6. Acidentes na estrada é coisa que a mim me causa choque durante algum tempo.Uma grande amiga minha também partiu num acidente de carro há quase 4 anos. Prefiro pensar que ela viajou...assim não custa tanto, mas há dias em que é impossivel não pensar no assunto.

    Força para a tua menina.

    beijinhos

    ResponderEliminar
  7. É inevitável não pensar, não ter medo.

    Força para tua menina, ela precisa de colo, e como nunca sabemos como lidar com as noticias trágicas e inesperadas, com amorte tb não, porque é algo que nos transcende, é cruel.

    Beijinho grande

    ResponderEliminar
  8. Já me pozes-te a chorar!
    É sempre tao difisil recurdar-me dele e nao chorar.
    Ainda por sima quando tinhamos coisas conbinadas para o dia a seguir a morte dele !

    Bjs

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares