ampolas de boa disposição e comprimidos de esperança (parte 2)

Este não é o meu muro das lamentações. E sempre que me sinto mais em baixo, não consigo, nem através da escrita, mentir e fazer parecer que tudo está maravilhoso e um sol radioso me aquece o coração.
Mas, sempre que isso acontece, sei também ir ao meu baú de felicidade, às memórias e afectos construídos, e escolher um instantâneo que me arrebite e me traga o tão esperado sorriso ...

Hoje, vou buscar um momento mágico que se passou no Domingo passado.

O dia estava de neura: ora fazia sol, ora chovia, ora ventaniava (será que esta palavra existe?), mas os petits mais petits queriam aproveitar o jardim que só podem usufruir ao fim de semana. Vai daí, montam mesa para lanchar no jardim e vão buscar os brinquedos para as actividades outdoor.
O Tomás pega na sua bicicleta cor de rosa (a mesma que já foi da mana mais velha e da mana mais nova, na mesma cor) e começa o seu périplo, passeio acima, passeio a baixo...
Começa a chuviscar. Aquela chuvinha miudinha, irritante, ...
Aviso-os que, estando a chover não podem brincar no jardim e é hora de vir para dentro. E eis que lhes surge uma ideia luminosa:

_ a Mafalda vai buscar um guarda chuva de tamanho familiar que temos por lá e acompanha o passeio do irmão, abrigando-o da chuva!
Eu sei que outros pais poderiam ter ralhado, mandando, mesmo assim, vir para dentro ... se calhar teriam razão ...
Eu chamei o pai e ficámos deliciados a ver da janela da cozinha, de forma insuspeita, este momento de partilha e cumplicidade, de protecção maternal da mana para o seu mano. E os risos, senhores, os risos ...

Ainda comentámos: - ralha tu se tiveres coragem.
Coragem não houve.
Porque o que assistimos foi a uma cena de amor e cumplicidade. E isso não tem preço nem merece castigo.

Comentários

  1. Pois não querida, não tem preço porque não tem valor calculável, só quem tem coração grande consegue perceber...

    ResponderEliminar
  2. Tal como te disse quando me contaste, deve ter sido uma imagem soberba, maravilhosa, de amor entre irmãos. Consigo (estou) a imaginar o Tomás a pedalar e a Mafaldocas de guarda-chuva atrás...nessas alturas seria perfeito ter uma máquina de filmar para registar tão precioso momento.

    Ralhar?! Não minha amiga, nunca, eu também não ralharia, podes ter a certeza :)

    Beijinhos grandes, beijinhos doces, beijinhos mil

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares